Federação dos Trabalhadores na agricultura no Rio Grande do Sul

Informativo

INFORMATIVO N° 1.319

Informativo Fetag e Sindicatos dos Trabalhadores Rurais// Um programa da Federação dos Trabalhadores na Agricultura no Rio Grande do Sul e dos 316 Sindicatos filiados.// Transmitido em todo o Estado com informações para o trabalhador e a trabalhadora rural./

A VOZ DA FETAG/
www.fetagrs.org.br

FETAG REÚNE IMPRENSA, FAZ BALANÇO DE 2018 E PROJETA 2019/

O presidente da FETAG, Carlos Joel da Silva, revelou durante entrevista coletiva com a imprensa que a Federação considerou o ano de 2018 como positivo para a agricultura e pecuária familiar./
Ao mesmo tempo, Joel enfatizou que para 2019, a entidade estará em alerta para a reforma da Previdência Social, em relação aos cortes nos orçamentos para os programas da agricultura familiar, tanto no Estado com no governo federal e, ainda, nas indicações de nomes para pastas ligadas à agricultura familiar./
A entrevista será disponibilizada na manhã desta sexta, dia 07, no site da FETAG.//

AS NOTÍCIAS DA FETAG TAMBÉM ESTÃO NO FACEBOOK/
Curta a Página Oficial da FETAG-RS na rede social Facebook e tenha informações atualizadas sobre a Agricultura Familiar e o Movimento Sindical do estado e país. // Não perca tempo e curta a nossa página!///

FETAG CONSIDERA 2018 POSITIVO E MANTÉM ALERTA PARA 2019/

A FETAG reuniu ontem (05) a imprensa da Capital para a tradicional coletiva de final de ano, ocasião em que são avaliadas as principais ações da entidade ao longo do ano, bem como realizadas projeções para os próximos 12 meses./ O presidente da FETAG, Carlos Joel da Silva, disse que o encontro com a imprensa sempre é importante, pois é fundamental realizar o balanço e mostrar um pouco do que foi o ano de 2018, ao mesmo tempo o que a FETAG espera de 2019./ “Com todos os problemas enfrentados ao longo deste ano, podemos dizer que o período foi positivo para a agricultura e a pecuária familiar”, observou.///

PONTOS POSITIVOS/

Entre os pontos positivos levantados pelo presidente Carlos Joel da Silva, destacam-se impedir a Reforma da Previdência Social da forma como fora planejada;/ as melhorias no SUSAF;/ as legislações ambientais;/ o desenvolvimento de diversos programas através das feiras;/ um projeto novo da FETAG que são os Biomas;/ a implementação da assistência técnica via sindicatos, entre outros.///

PONTOS NEGATIVOS/

Por outro lado, os preços dos produtos agrícolas deixaram a desejar, uma vez que a lucratividade do produtor, em geral, ficou longe do esperado./ Além disso, agora, ao apagar das luzes de 2018, veio a Instrução Normativa do Leite, que vai trazer algumas dificuldades; a rastreabilidade dos hortifrutigranjeiros, que precisa de mudanças e o preço do próprio leite, que volta a atormentar os produtores com valores que sequer cobrem os custos de produção./

INCERTEZAS NO ESTADO/

Joel adverte que mal se encerra o ano e já no próximo há sérias preocupações./ “Aqui no Estado, com a mudança do governo, será que vai ser mantida a Secretaria de Desenvolvimento Rural, Pesca e Cooperativismo (SDR)?/ Para a diretoria da FETAG, o governador eleito Eduardo Leite afirmou que ela seria mantida./ Mesmo assim, quem será o secretário, qual o seu perfil”?/

A mesma pergunta, continua o dirigente, vale para as pastas da Agricultura, Educação, Saúde, Meio Ambiente e Segurança./ “Um governo para ter sucesso começa na escolha do grupo com quem trabalhará./ Esse pessoal será de diálogo, vai chamar as entidades para conversar antes de colocar em prática o que pensa ou agirá de cima para baixo?/ Então, todas essas ponderações são relevantes para que não se criem resoluções que depois sejam inaplicáveis na ponta.///

NO GOVERNO FEDERAL/

O mesmo raciocínio serve para o governo federal, pondera./ “Já temos a definição de quem será o ministro da Agricultura./ Mas a SEAD irá para o MAPA?/ Se a ministra da Agricultura, Teresa Cristina, conhece a agricultura, mesmo sendo a empresarial, no INCRA foi colocado uma pessoa que não tem nada a ver com a pasta./  Nos resta torcer que para a SEAD seja indicado alguém que conheça a agricultura familiar./ “Esperamos que em 2019 o crédito fundiário volte a funcionar, bem como a habitação rural”, projetou./ Em relação à reforma previdenciária, que seja mantido o que vinha sendo discutido com o atual governo, ou seja, não mexer na agricultura familiar./

55 ANOS DA FETAG/

Antes de encerrar a coletiva com a imprensa, Joel lembrou que a FETAG completou 55 anos em outubro./ “A experiência alcançada ao longo de cinco décadas e meia, não nos assusta com os governos./ Somos sabedores que a FETAG é grande, poderosa e que pode fazer frente e discutir com quaisquer governo, seja ele de que partido for./ A FETAG está pronta e em alerta para todas as questões levantadas, inclusive em relação aos orçamentos, tanto do Estado como da União, que cortam severamente os recursos destinados à agricultura familiar./ Então, a Federação está atenta a tudo isso e os agricultores familiares podem ter a certeza de que seguiremos lutando em sua defesa para seguir crescendo como agricultor e pecuarista familiar”, completou.///

VACINAÇÃO CONTRA FEBRE AFTOSA PRORROGADA ATÉ O DIA 10/

O prazo para vacinação de gado bovino e búfalos de até dois anos de idade contra a febre aftosa no Rio Grande do Sul foi prorrogado até 10 de dezembro pelo governo federal, após uma solicitação da FETAG à Secretaria Estadual da Agricultura./ O prazo terminaria no dia 30 de novembro, mas foi prorrogado devido à falta de vacinas disponíveis nos pontos de venda autorizados./

Conforme o diretor do Departamento de Defesa Agropecuária da Secretaria da Agricultura, Antonio Carlos de Quadros Ferreira Neto, houve uma baixa generalizada no Rio Grande do Sul nos estoques de frascos da vacina com até 10 doses./ Muitos agricultores têm poucas cabeças de gado, duas ou três. Para esses, não vale a pena comprar o frasco com 50 doses, explicou Neto./

Após a aplicação, explica Nestor Bonfanti, vice-presidente da FETAG, todos os produtores deverão comprovar a vacinação por meio da apresentação da nota fiscal de compra e declaração da quantidade de animais vacinados por categoria nas Inspetorias de Defesa Agropecuária da Seapi, cuja meta é atingir uma cobertura superior a 90%./ A primeira etapa, em maio, teve cobertura vacinal de 98,9% do rebanho./ O prazo máximo para a comprovação da aplicação de vacina no rebanho é de cinco dias úteis após o término da etapa.///

SOUZA CRUZ ABRE NEGOCIAÇÕES DO FUMO SAFRA 2018-2019/
A 1ª rodada de negociação do preço do tabaco da safra 2018 e 2019 iniciou ontem (5), com a Souza Cruz, e segue nesta quinta, na sede da Federação dos Trabalhadores na Agricultura do Estado de Santa Catarina (FETAESC), em São José./ A Comissão de Representação dos Produtores de Tabaco, que é formada por sete entidades - Associação dos Fumicultores do Brasil (Afubra), as Federações dos Trabalhadores na Agricultura (FETAG, FETAESC e FETAEP) e Federações dos Sindicatos Rurais (Farsul, Faesc e Faep), analisará a adequação das tabelas de preço e informações sobre as especificações do tipo de tabaco que o mercado exige./

Logo após a Souza Cruz, conta o vice-presidente da FETAG-RS, Nestor Bonfanti, a programação segue com a JTI, Philip Morris e Universal Leaf./ Hoje (6) iniciou com a Alliance One e termina com a China Brasil Tabacos./ O encontro tem a premissa de definir o percentual de reajuste a ser praticado na safra que se inicia, bem como discutir uma proposta de realinhamento de classes da tabela./ Além de Bonfanti, a FETAG-RS conta com a assessora de Política Agrícola, Carla Schuh, e por representantes da Comissão Estadual do Fumo.///

DEZEMBRO TEM FEIRAS EM GRAMADO E EM PORTO ALEGRE/
A FETAG, a EMATER, a Secretaria Especial de Agricultura Familiar e do Desenvolvimento Agrário (Sead) e a Secretaria de Desenvolvimento Rural, Pesca e Cooperativismo (SDR) estão organizando duas feiras da agricultura familiar em  dezembro./ A primeira delas acontecerá em Gramado, de hoje (6) a domingo, e a segunda na Capital, de 11 a 14 dezembro./ Para Jocimar Rabaioli, assessor de política agrícola e agroindústrias da FETAG, em função do prazo ser muito curto para abrir inscrições, os empreendimentos foram selecionados a partir de reunião das entidades./ Ficou definido que a FETAG fará o contato com os empreendimentos selecionados para a feira de Porto Alegre, enquanto a EMATER para a feira de Gramado.///

COMISSÃO ESTADUAL DE MULHERES FAZ ÚLTIMA REUNIÃO DE 2018/
A Comissão Estadual de Mulheres Trabalhadoras Rurais  da FETAG agendou uma reunião para os dias 11 e 12 de dezembro, com início às 9horas, na sede da Federação, com a seguinte pauta:
- Oficina sobre Agroecologia, Fitoterápicos e Plantas Medicinais com a agrônoma Agda R. Yatsuda Ikuta, da Secretaria de Desenvolvimento Rural, Pesca e Cooperativismo (SDR);
- Fazer um levantamento nas regionais com relação a trabalhos nestas áreas;
- Seminário da Segurança e Saúde do Trabalhador;
- Informações sobre a Marcha das Margaridas; e
- Assuntos Gerais com enfoque no 8 de Março e no Protetor Solar.///

FETAG E EMBRAPA PROMOVEM DIA DE CAMPO EM PELOTAS/
A FETAG-RS e a Embrapa Clima Temperado convidam os dirigentes e associados dos Sindicatos dos Trabalhadores Rurais para participarem hoje (6) do XIII Dia de Campo em Agroecologia, tendo como tema Alternativas para Diversificação da Agricultura Familiar de Base Ecológica./ A programação inicia às 9h, tendo por local a Estação Experimental Cascata, da Embrapa Clima Temperado, de Pelotas, e encerra às 15h./ A mobilização e organização de transporte é por conta das regionais sindicais./

CONTRIBUIÇÃO SINDICAL É REAJUSTADA/
A Contribuição Sindical dos Agricultores e Agricultoras Familiares teve seu valor reajustado no início de 2018./ Previsto no art. 149 da Constituição Federal, na CLT (artigos 578 e seguintes) e no Decreto-lei 1166/71, a Contribuição Sindical é amparada legalmente, sendo que cada categoria contribui para o seu sindicato – dessa forma, os trabalhadores rurais também se enquadram nesta legislação./

A Contribuição Sindical dos(as) Agricultores(as) Familiares é realizada para o Sistema Confederativo – CONTAG – FETAG e Sindicato dos Trabalhadores Rurais./ Ela é devida por toda a categoria, trabalhadores(as) ou empregados(as). / Ou seja, todos aqueles que são trabalhadores rurais e não possuem empregados e exercem a atividade rural, individualmente ou em regime de economia familiar, sendo proprietário, arrendatário, parceiro, meeiro ou comodatário./

Para a tesoureira geral da FETAG-RS, Elisete Hintz, a Contribuição Sindical é uma das formas de manter o Movimento Sindical atuante, forte e em constante luta para assegurar o direito dos agricultores familiares./ Elisete reitera que embora a Contribuição seja facultativa, é uma obrigação dos agricultores(as), pois quando da conquista de um benefício para a classe todos recebem as melhorias./
O valor da Contribuição Sindical da Agricultura Familiar referente ao exercício 2018 é de R$ 33,00 (trinta e três reais) por membro do grupo familiar. ///