Federação dos Trabalhadores na agricultura no Rio Grande do Sul

Informativo

INFORMATIVO N° 1.231

Informativo Fetag e Sindicatos dos Trabalhadores Rurais// Um programa da Federação dos Trabalhadores na Agricultura no Rio Grande do Sul e dos 316 Sindicatos filiados.// Transmitido em todo o Estado com informações para o trabalhador e a trabalhadora rural./

A VOZ DA FETAG/
www.fetagrs.org.br
O Programa A Voz da FETAG é gravado no estúdio de rádio na sede da Federação em Porto Alegre.

1) FETAG REALIZA COLETIVA DE FINAL DE ANO/
O presidente da FETAG, Carlos Joel da Silva, faz uma avaliação de 2017 e afirma que 2017 foi um ano de dificuldades para a agricultura familiar gaúcha, pois os custos de produção subiram, enquanto os preços despencaram e a rentabilidade reduziu cerca de 27%.///

2) GOVERNO FEDERAL MENTE QUE VAI TIRAR OS RURAIS DA REFORMA DA PREVIDÊNCIA SOCIAL/
O vice-presidente da CONTAG, Alberto Broch, revela as artimanhas que o governo federal está fazendo para manter os rurais na reforma previdenciária.///

AS NOTÍCIAS DA FETAG TAMBÉM ESTÃO NO FACEBOOK/
Quando você abrir a sua página no Facebook, na coluna à esquerda, bem abaixo, tem um link chamado PÁGINAS./ Clique ali e em seguida digite a palavra FETAG-RS que a nossa página no Facebook irá se abrir./ A finalidade é usar essa nova ferramenta de comunicação das redes sociais e fazer chegar ao movimento sindical as notícias da Federação./ Não perca tempo e curta a nossa página!///

FETAG FAZ BALANÇO NEGATIVO PARA A AGRICULTURA FAMILIAR/
A direção da FETAG realizou ontem (13) o tradicional balanço de final de ano com a Imprensa em sua sede, em Porto Alegre./ O presidente da Federação, Carlos Joel da Silva, disse que 2017 foi um ano de dificuldades para a agricultura familiar gaúcha, pois os custos de produção subiram, enquanto os preços despencaram e a rentabilidade reduziu cerca de 27%./ Somam-se a isso, as políticas públicas do governo federal que foram reduzidas./ Esse paralelo deixa claro que a extinção do Ministério do Desenvolvimento Agrário (MDA) ocasionou a perda de força do setor./ “Um balanço negativo para a agricultura familiar”, justificou.///

DIRIGENTE DIZ QUE REFORMA PREVIDENCIÁRIA PRECISA CORTAR PRIVILÉGIOS/
A Previdência Social representa para o trabalhador rural o futuro, definiu Joel neste momento de grandes incertezas diante de uma reforma previdenciária que poderá prejudicar os rurais./ Diante deste contexto, o dirigente disse que a FETAG espera um olhar específico para a categoria, que já trabalha mais de 40 anos para obter a aposentadoria de apenas um salário mínimo./ “Esperamos que o governo corte privilégios de quem têm, mas parece que não é isso o que vai ocorrer./ A reforma é necessária, mas que não seja feita em cima do trabalhador, seja ele rural ou urbano./ E eu não acredito que os deputados ficarão indiferentes aos trabalhadores brasileiros, que tenham bom senso e não aprovem a reforma da forma como está posta”, defendeu.///

JOEL DESTACA RENDA ENTRE AS BANDEIRAS DE LUTA PARA 2018/
Entre as bandeiras para 2018, o dirigente destacou a necessidade de melhorar a renda do produtor; retomar as políticas públicas que foram reduzidas; e, acima de tudo, que o governo dê uma atenção melhor ao agricultor familiar./ “O setor público está devendo aos agricultores e pecuaristas familiares./ Estamos cobrando dos governos que façam sua parte, que é controlar custos e estoques reguladores para equilibrar  oferta e produção./ Que o agricultor seja remunerado adequadamente e que o consumidor não pague em demasia pelo produto final./ Esse é um desafio para nós enquanto FETAG, bem como dos governos”, observou.///

PRESIDENTE DA FETAG ACREDITA EM DIAS MELHORES À FRENTE/
Em relação a perspectivas para 2018, Joel acredita que elas poderão ser boas./ “Chegamos ao fundo do poço e agora é a hora da virada./ Para tanto, temos que lutar pela manutenção da Previdência Social, otimizar o custo de produção com seu preço final, com a participação do governo nesta questão e uma forte discussão com a sociedade sobre o que ela espera dos agricultores e vice-versa./ Um não vive sem o  outro./ O cidadão urbano precisa conhecer qual o trabalho do agricultor, que necessita de remuneração./ O consumidor reclama quando o leite sobe, mas não se importa quando o refrigerante ou a cerveja têm seus preços majorados./ Então, a perspectiva é fazer esse debate no ano que vem, quando a FETAG comemorará os seus 55 anos de fundação”, justificou.///

PREÇO DO TABACO SEGUE INDEFINIDO/
Finalizada a primeira rodada de negociação, o preço do tabaco para a safra 2017/2018 continua indefinido./ Os encontros individuais, ocorridos no começo de dezembro na sede da Associação dos Fumicultores do Brasil (Afubra), em Santa Cruz do Sul/RS, envolveram a comissão interestadual dos produtores, formada por membros da Afubra e das Federações dos Sindicatos dos Trabalhadores Rurais (FETAG, Fetaesc e Fetaep) dos Rurais (Farsul, Faesc e Faep), bem como representantes de dez empresas fumageiras./
Nesta primeira rodada de negociação, com encontros individuais com cada empresa, a representação dos produtores apresentou o custo de produção, cuja variação é de 2,7%, e a proposta de reajuste de 4,7% sobre a tabela oficial acordada na safra passada./ Sobre o índice, a comissão diz que com o valor médio a ser pago pela indústria na comercialização, o percentual proporcionará lucratividade ao produtor./ Apenas três empresas apresentaram proposta aquém do pedido pelas entidades./ Com isso, não houve acordo e as fumageiras analisarão e se manifestar até, no máximo, dia 20 de dezembro./ Pelo regimento do Foniagro (Fórum Nacional de Integração do Tabaco), aprovado de acordo com a Lei 13.288/2016 (Lei da Integração), a definição de preço para as safras deve ser sempre realizada durante o mês de dezembro./
A rodada de negociação frustrou a expectativa da comissão./ Ela entendia que as propostas a serem apresentadas nas reuniões se aproximariam mais do pedido das entidades./ "As indústrias não estão valorizando o trabalho do fumicultor. Elas se limitaram a oferecer uma variação que poderá comprometer a margem de lucratividade dos produtores, bem como a manutenção de parte deles na atividade ”.//

COMISSÃO DE EDUCAÇÃO PLANEJA AÇÕES PARA 2018/
A Comissão Estadual da Educação da FETAG realizou hoje (14) uma reunião de avaliação de 2017 e, ao mesmo tempo, trabalhou o planejamento de 2018./ A coordenadora estadual de Jovens da FETAG, Diana Hahn Justo, disse ainda que foi  tratado sobre o Seminário de Educação do Campo: 20 anos de Lutas, Histórias e assuntos gerais.///

SINAL ANALÓGICO VAI SER DELISGADO EM 31 DE JANEIRO DE 2018/
A FETAG lembra que no dia 31 de janeiro de 2018, o sinal analógico será desligado em Porto Alegre e outras 88 cidades no Rio Grande do Sul./ A partir desta data, só será possível assistir aos canais abertos com a TV digital./ Os principais benefícios são a qualidade de som e imagem./ As televisões em que aparecem um "A" de analógico durante a programação precisam ser substituídas ou instalado o conversor./

Mais de 430 mil Kits de TV Digital (Antena UHF, conversor digital e controle remoto) serão distribuídos gratuitamente no Rio Grande do Sul para beneficiários de programais sociais do governo federal./ Para ter direito ao kit, é necessário estar inscrito no Cadastro Único – CadÚnico – e a remuneração familiar não pode ser superior a três salários mínimos e ser beneficiário de algum dos seguintes programas:
Bolsa Família 2017; Minha Casa, Minha Vida; Programa de Erradicação do Trabalho Infantil (PETI); Bolsa Verde; Carteira do Idoso; Programa de Fomento às Atividades Produtivas; Programa Brasil Carinhoso; Pro Jovem Adolescente; Aposentadoria para Pessoa de Baixa Renda; Programa Nacional de Crédito Fundiário; Bolsa Estiagem; Programa Nacional de Reforma Agrária; Tarifa Social de Energia Elétrica./

O beneficiário pode solicitar o kit de duas formas:
1ª) Agendar pela internet no site www.sejadigital.com.br/kit;
2ª) Pelo telefone 147; ou
3ª) Se dirigir a um Centro de Referência de Assistência Social (Cras).///